Chuvas no estado requerem mais atenção dos motoristas


Pista molhada, condições de visibilidade ruim, alguns escorregamentos de terra e trechos em meia pista. Eis a combinação consequente do excesso de chuvas no estado de Santa Catarina que piorou nesse final de semana com os deslizamentos de terra no Morro do Boi. As duas faixas já foram liberadas sul com trânsito normal e fluindo e embora tenha sido uma situação temporária, pode se repetir e exige mais atenção e cautela dos motoristas. 

Com as festas de final de ano o movimento de motoristas sentido litoral aumenta como sempre foi, só que dessa vez a chuva pode comprometer a segurança da viagem. Em muitos trechos da BR-101 sentido Florianópolis há acúmulo de água na pista, um alerta para a possibilidade de aquaplanagem. 

Em velocidade os pneus perdem o atrito com o pavimento asfáltico e fazem o veículo rodar. A desaceleração causada pela água acumulada mesmo em marchas mais altas levantam uma cortina de água que chega a espirrar com força no parabrisas dos veículos que trafegam no sentido contrário. 

Verificar as condições da palheta do parabrisas deve ser feita antes de pegar estrada trocando aquelas que estão secas pelas que deem eficiência e proporcionem visibilidade durante a chuva. 

Muitos motoristas costumam confiar muito mais na tecnologia embarcada do veículo e na promessa de segurança, mas em condições climáticas assim é fundamental reduzir a velocidade um pouco antes da máxima permitida para a via indicada nas placas. 

O fato de a via principal de Balneário Camboriú ter ficado interditada até a rodoviária chama a atenção ao se passar por trechos com alagamentos. Se a água estiver acima da metade da roda nem tente passar, muito menos trocar de marchas. 

O maior risco nesse caso é o calço hidráulico quando a água das chuvas entra pelo cano de escape do veículo e chega às partes mais sensíveis do motor.

As ultrapassagens devem ser evitadas em trechos mais críticos com as chuvas, sobretudo em subidas, curvas e com pouca visibilidade, o que já PE proibido com tempo seco e muitos motoristas não respeitam. 

Transitar pelo acostamento nem pensar porque pior do que a multa salgada de R$ 880,41 gravíssima multiplicada por 3 é atrapalhar a chega dos veículos de socorro e resgate de vítimas em caso de acidentes. 

O excesso de água acumulada pelas chuvas pode ocasionar o desbarrancamento de encostas, o que exige ainda mais cautela por parte dos motoristas. 

A situação das chuvas em Santa Catarina é tão sensível que no Rio Grande do Sul há atualizações diárias nos principais jornais e já houve recomendações de que os motoristas gaúchos só sigam para o litoral catarinense em caso de necessidade e aguardem que as condições climáticas melhorem.

Nessa época do ano muitas famílias gaúchas seguem rumo ao litoral catarinense que é bem diferente das praias sem costões, de águas geladas e cor achocolatada característica do litoral do Rio Grande do Sul. 

As chuvas já trouxeram prejuízos para os donos de pousadas e hotéis em Santa Catarina, pois muitos não conseguem chegar ou abortam a viagem por causa das chuvas. 

Cautela nunca é demais e seguir à risca as recomendações de segurança, principalmente em relação à velocidade moderada, atenção e dispensar o celular enquanto dirige fazem toda a diferença.

Uma boa viagem prá quem vai e olho no tempo para quem fica!

Texto escrito por MÁRCIA PONTES

Márcia Pontes é escritora, colunista e digital influencer no segmento de formação de condutores, com três livros publicados. Graduada em Segurança no Trânsito pela Unisul, especialista em Direito de Trânsito pela Escola Superior Verbo Jurídico, especialista em Planejamento e Gestão do Trânsito pela Unicesumar. Consultora em projetos de segurança no trânsito e professora de condutas preventivas no trânsito. Vencedora do Prêmio Denatran 2013 na categoria Cidadania e vencedora do Prêmio Fenabrave 2016 em duas categorias.

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Shopping cart